Novo médium:

Pintura de computador

Transparência e imaterialidade

de Wolfgang Hock

A maioria que usa fotos para pintura, faz isto para deixar aparecer as imagens como fotografias, quer dizer, eles querem imitar o “realismo” para fingir alguma coisa que eles não sabem fazer.

Exatamente isto eu não faço.

Em consequência, o uso do computador para manipulação de imagem pelo Photoshop só serve para polir fotografias para aparecer como aquelas fotos nas revistas monótonas e na tv, onde tudo parece igual.
Se alguém ver estas imagens daqui a 20 anos, ele não verá mais nada, apenas que nossa época era muito fútil. Estas são todas ruas sem saída e vale a pena lutar contra elas.

 

Uma nova técnica é a pintura e o desenho feito à mão direto no computador para ser impressa sobre papel ou tela num segundo passo. As máquinas de hoje melhoraram tanto que possibilitam o trabalho com cores e linhas de forma rápida e livre. Neste caso, não se pinta mais sobre papel real ou tela real, mas sim sobre papel virtual dentro do computador.  

Não se trata de simular, imitar ou reproduzir outras técnicas ou materiais (p.ex. pintura à óleo ou aquarela), mas sim explorar e praticar o novo médium em sua particularidade.

Trabalhando nisso encontra-se – como em todas as técnicas – vantagens e desvantagens. Uma vantagem importante é a rapidez na troca de tintas e pinceis, na corrigibilidade e na secagem (que não existe aqui) que favorece o trabalho intuitivo, espontâneo e direto com as imagens.

Rapidez aqui no sentido positivo, não como experimentar de forma confusa e nervosa. Isto precisa tempo, alta concentração e faz muito trabalho, e como nas mídias tradicionais da arte, tem haver sempre também com habilidade.

Para determinadas coisas este médium é simplesmente perfeito. Principalmente pode-se trabalhar muito sutil com camadas de cores transparentes e generar tonalidades de cores, impossível em outras técnicas.

Pode-se comparar esta nova técnica com a gráfica tradicional: A placa de cobre trabalhada é a imagem criada virtualmente no computador, de que se faz num passo seguinte, depois de muitos impressos de prova, uma edição de impressos originais numa determinada quantidade. Então não se trata de reproduções. 

Para mim, esta nova técnica representa uma ampliação importante, por tanto não significa o desprezo das técnicas tradicionais como a pintura à óleo ou aquarela. Muito mais pelo contrário: Coisas desenvolvidas nas novas técnicas fecundam a pintura à óleo e vice versa. As possibilidades criativas se ampliam desta forma em todas as técnicas e para mim é sempre de novo surpreendente o que surge disso. Absolutamente fascinante. 

de Wolfgang Hock

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 
ALL IMAGES AND SITE CONTENT ©Wolfgang Hock